quarta-feira, 17 de outubro de 2018

DESABAFO

Muitos brasileiros, principalmente os que são usados como massa de manobra pelas elites, têm memória curta e pouco senso crítico, além de guardarem consigo sentimentos nefastos como: rancor, frustração e ingratidão. Some-se a isso a campanha midiática feita ha anos diariamente contra o PT/Lula e a união das forças retrógadas que não suportam ver o trabalhador melhorar de vida. Além disso, falta-nos o verdadeiro sentimento de nação, que é muito mais amplo do que o de grupos sociais vivendo numa determinada extensão territorial. Para completar, ainda nem sequer tentamos nos desvencilhar das garras venenosas do capitalismo norte-americano e mundial, pois até hoje nos faltou coragem para enfrentá-los como fizeram Cuba e mais recentemente a Venezuela. O resultado é esse que estamos vendo atualmente: um paspalho ignorante, preconceituoso e belicista em primeiro lugar nas pesquisas para o cargo político mais importante do país. Mas os verdadeiros brasileiros (sim porque nos dias atuais tem muita gente falsa por aí) jamais desistirão de lutar pela democracia e por mais justiça social. A virada vem aí. Haddad 13.

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Indígenas Corrrem Risco de Vida com Bolsonaro


Em diversas declarações escandalosas e também em seu programa de governo, Jair Bolsonaro já mostrou que é inimigo declarado dos povos indígenas do Brasil. Amigo do latifúndio, o candidato quer acabar com direitos, retirar todas as terras indígenas e liberar ainda mais o agronegócio para resolver “na bala” os conflitos por terra. O ultra-direitista Jair Bolsonaro sintetizou seu programa para a questão indígena no Brasil em palestra no Mato Grosso com a absurda declaração: “Se eu assumir, índio não terá mais 1 cm de terra”.


Não foi a primeira nem a última declaração de Bolsonaro contra os povos indígenas, sendo que o político foi recentemente inocentado pelo STF por suas declarações racistas não apenas contra negros, mas contra indígenas, dizendo que “não servem para nada.

terça-feira, 28 de agosto de 2018

SERENATA TUPI NO INVERNO CULTURAL 2018

No último dia 22 de agosto, o compositor e ambientalista Sergio Vieira apresentou-se, ao lado do percussionista Rodrigo Vieira no Centro Cultural da Fundação CSN, projeto Inverno Cultural 2018 em Volta Redonda-RJ.
O projeto, que foi realizado através de uma parceria entre a Fundação CSN e a Prefeitura de Volta Redonda/Secretaria de Cultura, aconteceu entre os dias 22 e 25 de agosto e teve uma programação bastante diversificada nas áreas de literatura, artes visuais e música.
"Foi mais uma excelente oportunidade de estar apresentando para alunos, pais e professores a minha experiência de convívio por mais de cinco anos com os indígenas Parakanã (Amazônia), abordando aspectos mais do que importantes para uma convivência respeitosa e harmoniosa com os indígenas, que na verdade são nossos antepassados, afirma Sergio Vieira."
Trata-se de uma experiência muito importante nesse sentido pois fizemos a abertura de uma exposição super interessante dos alunos da Escola Municipal Balãozinho Vermelho que abordava as culturas afro e indígena.
É fundamental esse tipo de atividade para as crianças, alunos e professores pois precisamos cultivar o respeito pela diversidade cultural do Brasil.
Sergio Vieira, que morou na Amazônia durante cinco anos, vem desenvolvendo nos últimos anos um trabalho voltado para a valorização da cultura indígena através de palestras, oficinas, exposições fotográficas e apresentações musicais em escolas, centros culturais e universidades.
No próximo dia 19 de setembro estará na UFRRJ - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro em Seropédica-RJ ministrando a palestra "Aspectos Socioculturais na Preservação da Área Indígena Parakanã" no evento I Fórum da Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Florestais.

Sergio Vieira com o percussionista Rodrigo Vieira
                                         

domingo, 22 de abril de 2018

2018: a estratégia anti-indígena na fase da barbárie racionalizada no Brasil

“A estratégia anti-indígena em curso tem provocado uma espiral de violações que chega, neste ano de 2018, numa fase onde a barbárie contra os povos é praticada sem remorsos por “indivíduos comuns” e por forças armadas do próprio Estado”. A análise é de Cleber César Buzatto, Secretário Executivo do Cimi.



POR CLEBER CÉSAR BUZATTO, SECRETÁRIO EXECUTIVO CIMI

O ano 2018 apresenta-se como extremamente perigoso e desafiador para os povos indígenas no Brasil. Os assassinatos dos professores Marcondes Namblá Xokleng, a pauladas, e Daniel Kabinxana Tapirapé, apedrejado, nos estados de Santa Catarina e Mato Grosso, respectivamente, no mês de janeiro, e a queima da base de proteção na terra indígena Karipuna, em Rondônia, e o despejo extrajudicial com práticas de tortura contra famílias do povo Kaingang, pela polícia militar do Rio Grande do Sul, em fevereiro, dão mostras inequívocas de que o patamar de violências e violações contra os povos, seus membros e seus direitos, alcançou um nível de envergadura insuportável no país.

domingo, 15 de abril de 2018

Toninho Horta e Sergio Vieira. Nova Parceria Musical!

O último encontro entre Sergio VieiraToninho Horta, ocorrido em agosto do ano passado no show "Lançamento do Songbook 108 Partituras" do guitarrista mineiro em Volta Redonda-RJ, no qual Sergio fez uma participação especial, deu origem a uma parceria inédita entre os dois compositores. Segundo Sergio, essa parceria era um desejo antigo dos dois músicos, desde 2010, quando trabalharam juntos em BH na produtora Terra dos Pássaros, que cuida da carreira do Toninho. "Nessa época, o Toninho, que já conhecia algumas canções minhas, feitas em parceria com os indígenas Parakanã (Tupi) na época em que vivi na Amazônia, havia me pedido que fizesse uma letra abordando esse tema. 



sábado, 6 de janeiro de 2018

Música Indígena com Toninho Horta e Sergio Vieira

Foi um enorme prazer poder dividir o palco com o meu Mestre e Amigo Toninho Horta, um dos maiores músicos brasileiros de todos os tempos, no show "Lançamento do Songbook 108 Partituras" que o artista fez no Teatro GACEMSS em Volta Redonda-RJ no dia 05 de agosto de 2017.
Assistam a nossa interpretação da canção Oropotareté (Nós Gostamos muito de Você), que é uma parceria minha com o índio (Parakanã-Tupi) Motiapewa Parakanã e que estará no meu próximo CD "Serenata Tupi", em fase de pré produção.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

VÍDEO VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA

EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA “O CANTO DOS PARAKANÔ

Integrada por 40 fotografias coloridas no tamanho 40 x 50 cm, com molduras em vidro e madeira, além de objetos da cultura do povo indígena Parakanã, como: arco e flecha, cocar, pedra de machado, escultura em madeira e tipóia. Mostra os indígenas nas suas aldeias o período posterior a construção da Hidrelétrica de Tucuruí-PA, cujo lago invadiu o seu território na Amazônia.

Nos últimos anos vem percorrendo galerias de arte no Rio de Janeiro, Niterói, Duque de Caxias, Campos, Teresópolis, Petrópolis, Três Rios, Volta Redonda e Barra Mansa e tem atraído um público cada vez mais eclético, interessado em conhecer de perto a história recente do povo Parakanã.

Durante a exposição são feitas visitas guiadas, nas quais o expositor faz uma contextualização das fotografias para os visitantes, dando um caráter ainda mais didático à exposição. Uma verdadeira aula de sustentabilidade!
Assista agora ao vídeo da visita guiada à exposição.